UMMA” - nova viatura para os Bombeiros Voluntários de Estarreja

16Nov

Texto de Joana Ferreira (Jornal de Estarreja) e Carla Correia (Rádio Voz da Ria)

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Estarreja lançou um novo projeto pioneiro em Portugal. Trata-se da transformação de uma viatura comum para a “UMMA” – Unidade Móvel de Manutenção de Arica’s (Aparelho Respiratório Isolante de Circuito Aberto), que tem por finalidade o enchimento de garrafas de ar respirável. Com esta capacidade a viatura poderá deslocar-se e dar assistência no local onde exista a necessidade de enchimento de garrafas, sem que exista a necessidade de interromper as operações de socorro no terreno.

Atualmente o paradigma nos Teatros de Operações mudou, deixando de atuar como em tempos passados, onde a velha máxima imperava “Vamos e não sabemos se voltamos”, para uma atitude de proteção e salvaguarda da vida humana, seja das vítimas ou dos operacionais envolvidos nas operações de socorro.

António Ribeiro, Comandante da Proteção Civil Distrital, felicitou a corporação pelo “arrojo deste projeto, pela iniciativa. Este é um meio diferenciado que é uma carência tanto no dia a dia como nas grandes ocorrências”

Por consequência, o uso de proteção respiratória, passou a ser uma necessidade constante em operações de proteção civil, seja em intervenções urbanas, industriais, mistas ou em fogos rurais em condições adversas e de risco iminente para as populações. Para atingir um elevado grau de desempenho a proteção respiratória é feira através da ARICA (Aparelho Respiratório Isolante de Circuito Aberto).

Aparelho Respiratório Isolante de Circuito Aberto - ARICA é um equipamento respiratório utilizado por bombeiros quando precisam agir em atmosferas potencialmente tóxicas, com baixo teor de oxigênio. É concebido e construído para permitir ao utilizador respirar, por chamada, o ar proveniente de uma garrafa (ou garrafas) de alta pressão.

A UMMA poderá apoiar todas as operações onde existam esta necessidade, ou seja, onde a proteção respiratória é fundamental, requerendo-se o uso de Arica. Não existe em Portugal nenhuma viatura com estas características pelo que Estarreja será pioneira o que possibilitará dotar o concelho com melhores meios de socorro à população e empresas do Complexo Químico de Estarreja.

 

Projeto concluído em 18 meses

A alteração de um veículo comercial para este projeto tem considerações específicas, como a configuração, arrumação e organização dos equipamentos e materiais, iluminação e a própria funcionalidade do espaço no interior do veículo. O facto de não existir nenhum veículo com estas características em Portugal, torna mais interessante, mas também acarreta mais desafios.

A transformação passa por adaptar um veículo rígido pesado, oferecido já pela Transportes J. Amaral, para que o mesmo possa melhorar a capacidade de resposta em situações de emergência muito específicas, onde o acesso a proteção respiratória permite a prossecução das ações de socorro, resgate ou combate a incêndio de uma forma célere e sem prejuízo da saúde e segurança dos elementos envolvidos.

Considera-se ser uma mais-valia para todos os Bombeiros, que com a concretização deste objetivo, terão uma melhor resposta a situações de emergência industrial e urbana, servindo não só a sua área de atuação própria, mas passando também a estar ao serviço de todas as corporações, sempre que solicitado pelas autoridades competentes (ANPC).

Com a concretização do projeto UMMA, considera-se poder atingir diversas vantagens, sejam a nível operacional, ambiental, gestão de recursos, mas também a nível de apoio a necessidades externas ao concelho incluindo a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Presume-se que o projeto fique concluído no prazo de 18 meses, o que já inclui a fase de testes do equipamento em campo.

A disponibilidade de capacidade financeira, poderá ter um impacto direto no prazo de execução. A adaptação está orçada em cerca de 95 mil euros e para além da viatura já oferecida a empresa Vouga Frio já deu o seu donativo.

Os BVE estão em fase de desenvolvimento do desenho técnico com empresa especializada, que irá também executar as alterações e transformação do veículo. A fase da transformação deverá ter início em janeiro de 2019.

 

O projeto UMMA e a sua integração nas prioridades do Município

O Concelho de Estarreja apresenta riscos muito específicos, que não convêm ignorar devido às suas características, sendo um dos mais importantes polos petroquímicos do país. Acrescenta ainda a sua proximidade a outras zonas industrializadas nos concelhos e distritos vizinhos e também ao Porto de Aveiro.

Marco Braga, Presidente da direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Estarreja referiu que “estes projetos são para o bem da nossa população, para o bem das nossas empresas e por isso mesmo arregaçamos as mangas, vamos à luta!”

Os Bombeiros Voluntários de Estarreja assumem como prioridade a resposta a uma situação de emergência localizada no Complexo Químico de Estarreja, trabalhando em conjunto com o PACOPAR, empresas do Concelho de Estarreja e Serviços Municipais de Proteção Civil.

Na eventualidade de ativação do PEEE, Plano de Emergência Externo de Estarreja, a existência de um veículo com as caraterísticas do projeto UMMA, será uma mais-valia.

A disponibilidade da UMMA no Concelho de Estarreja, também permitirá às empresas no Concelho disporem de um equipamento adicional, para em caso de necessidade devido a trabalhos de manutenção ou avarias, substituir os seus equipamentos semelhantes pelo período que necessitarem.

Pretende-se que o projeto UMMA sirva a população, indústria e Concelho de forma a minimizar riscos, aumentando a segurança dos elementos das equipas de socorro, socorrendo a população e salvaguardando os bens e a natureza.

A autarquia estarrejense esteve representada pelo Vereador da Proteção Civil, João Alegria, que mostrou interesse neste projeto. “Aceitamos o repto para colaborarmos em mais um desafio lançado pelos Bombeiros Voluntários de Estarreja. Acho de primordial importância este novo meio diferenciado para o Município.”